Relatório de caso clínico – Carga viral indetectável no sangue mas detectável no sémen

Michael Carter
Published: 05 September 2008

Médicos franceses reportaram na 12a edição de AIDS de Setembro, o caso de um homem com infecção VIH, com carga viral indetectável no sangue, que continuava a ter níveis detectáveis de VIH no sémen.

Este relatório de um caso clínico pode trazer mais informação para a discussão acerca da infecciosidade dos doentes que estão sob terapêutica anti-retroviral, discussão essa induzida pela “Declaração Suíça” em Janeiro deste ano. Outros investigadores encontraram recentemente um caso provável de transmissão do VIH de um doente a tomar terapêutica anti-retroviral e que tinha uma carga viral indetectável. Um estudo francês separado descobriu que aproximadamente 5% dos doentes com uma carga viral indetectável no sangue, tinham VIH presente no sémen. Mas os investigadores norte-americanos não encontraram casos de transmissão do VIH que envolvessem pessoas em terapêutica anti-retroviral com uma carga viral indetectável e que quando houve transmissão estava relacionada com a carga viral no sangue e não no sémen.

O caso presente envolve um homem com infecção VIH que estava em tratamento num centro de reprodução assistida. Em Junho de 2006 começou um tratamento anti-retroviral com um regime que incluía AZT, 3TC e fosamprenavir/ritonavir. A carga viral do doente desceu para nível indetectável mas a carga viral no esperma continuava detectável.

Em Maio de 2007 o doente mudou o regime terapêutico para FTC, tenofovir e lopinavir/ritonavir. A carga viral no sangue permaneceu indetectável mas 6 meses depois de ter iniciado este regime, o VIH continuava detectável no esperma.

Depois de 11 meses de tratamento com o segundo esquema terapêutico, a carga viral no esperma do doente desceu lentamente para valores abaixo das 400 cópias/ml.

Os investigadores não encontraram nenhuma razão óbvia que justificasse a persistência de valores detectáveis de carga viral no esperma. Não havia evidência de resistência aos medicamentos anti-retrovirais, nem nas amostras de sangue do doente nem nas amostras de esperma. Além disso, a adesão do doente parecia boa, com valores de carga viral no sangue indetectáveis, por um período de mais de 2 anos.

“Este relatório de um caso clínico confirma que a terapêutica anti-retroviral altamente eficaz pode actuar de forma distinta no sangue e no esperma e que o VIH pode continuar a estar presente apesar de um controlo eficaz de VIH no sangue”, escreveram os investigadores.

Os investigadores consideram que a penetração insuficiente dos medicamentos anti-retrovirais no tracto genital possa ser a explicação mais provável para que o VIH permaneça detectável no esperma do doente, por um período tão dilatado de tempo. Em Março de 2008, dez meses depois do início do segundo regime terapêutico, só se detectou a presença lopinavir/ritonavir no esperma deste doente. Não existiam vestígios de emtricitabina nem de tenofovir.

“O aconselhamento na prevenção da transmissão sexual deveria incluir a possibilidade de replicação do VIH oculta, mas persistente no tracto genital”, concluíram os investigadores.

Referências:

Pasquier C J-M et al. Persistent differences in the antiviral effects of highly active antiretroviral therapy in the blood and male genital tract. AIDS 22: 1894 – 95, 2008.

Community Consensus Statement on Access to HIV Treatment and its Use for Prevention

Together, we can make it happen

We can end HIV soon if people have equal access to HIV drugs as treatment and as PrEP, and have free choice over whether to take them.

Launched today, the Community Consensus Statement is a basic set of principles aimed at making sure that happens.

The Community Consensus Statement is a joint initiative of AVAC, EATG, MSMGF, GNP+, HIV i-Base, the International HIV/AIDS Alliance, ITPC and NAM/aidsmap
close

This content was checked for accuracy at the time it was written. It may have been superseded by more recent developments. NAM recommends checking whether this is the most current information when making decisions that may affect your health.

NAM’s information is intended to support, rather than replace, consultation with a healthcare professional. Talk to your doctor or another member of your healthcare team for advice tailored to your situation.