Alta incidência de lesões anais pré-cancerígenas de alto grau entre jovens homens homossexuais tailandeses VIH-positivos

Michael Carter
Published: 09 April 2013

Investigadores reportaram, na edição online da AIDS, que aproximadamente um terço dos homens homossexuais VIH-positivos da Tailândia desenvolveu lesões anais pré-cancerígenas de alto grau em apenas um ano de intervalo de follow-up.

A infeção com genótipos do vírus do papiloma humano de alto risco (HPV) foi um fator de risco importante para o desenvolvimento de lesões de alto grau. Os investigadores ficaram extremamente preocupados com os achados e recomendam que os profissionais de saúde, decisores políticos e comunidades de homens homossexuais precisam de planear o rastreio e tratamento de lesões anais pré-cancerígenas.

Homens homossexuais VIH-positivos são o grupo mais afetado pelo cancro anal. A malignidade é precedida por lesões anais (neoplasia intraepitelial anal, AIN), que são normalmente associadas à infeção com genótipos de HPV de alto risco.

Pouco se sabe sobre a prevalência e incidência de lesões anais pré-cancerígenas de alto grau (HGAIN) entre os homens homossexuais nos contextos de baixo e médio-rendimentos.

Assim, uma equipa internacional de investigadores desenhou um estudo prospetivo envolvendo homens homossexuais, 123 seropositivos para o VIH e 123 VIH-negativos, em Bangkok, Tailândia.

Estes foram rastreados para lesões anais no começo do estudo e novamente aos seis e doze meses. Os participantes também forneceram amostras para citologia anal para determinar a prevalência e persistência de infeção de genótipos de HPV de alto risco (HPV 16/18).

Os participantes tinham uma mediana de idades de 28 anos. Os participantes VIH-positivos tinham uma mediana de células CD4 de 343/mm3. Apenas 13% dos participantes VIH-positivos estavam a realizar terapêutica antirretroviral quando o estudo começou e 10% tinha carga viral indetetável. No final do estudo, a proporção de participantes VIH-positivos sob antirretrovirais aumentou para 47% e 33% tinham carga viral indetetável e uma mediana de contagem de células CD4 de 277/mm3.

A prevalência inicial de lesões anais pré-cancerígenas de alto grau foi de 19% entre os homens seropositivos e 11% nos homens VIH-negativos.

Durante o follow-up, 27% dos homens VIH-positivos sem HGAIN à partida desenvolveram lesões anais pré-cancerígenas, tal como 7% dos homens VIH-negativos.

A probabilidade de ter lesões anais pré-cancerígenas de alto grau aos 12 meses foi de 29% para os participantes VIH-positivos a 8% para os VIH-negativos (p=0.001).

A análise dos homens com lesão anal de baixo risco no início do estudo mostrou que 33% destes indivíduos com VIH e 13% dos VIH-negativos progrediram para HGAIN depois dos 12 meses de follow-up.

Infeção anal com qualquer genótipo de HPV foi detetada em 85% dos participantes VIH-positivos e 59% dos VIH-negativos (p=0.001).

Os homens VIH-positivos tinham maior probabilidade de estarem infetados com genótipos de HPV de alto risco do que os homens VIH-negativos (58 vs 37%, p=0.001).

A persistência de infeção por HPV de alto risco foi encontrada em 47% dos participantes VIH-positivos e 19% dos VIH-negativos.

A infeção por VIH foi associada a um aumento de mais de três vezes do risco de desenvolvimento de lesões anais pré-cancerígenas de alto risco (HR=3.26; 95% IC, 1.31-8.14; p=0.001).

“Os HSH [Homens que tem sexo com homens] com infeção VIH no nosso estudo tinham aproximadamente um risco relativo duas a três vezes maior para a incidência de HGAIN”, declaram os autores. E acreditam que isto é indicativo de “um papel da imunodeficiência e/ou interações HPV-VIH no desenvolvimento de HGAIN”.

Infeção persistente com HPV 16/18 aumentou cinco vezes o risco de incidência de HGAIN (HR=5.16; IC 95%, 1.89-14.08; p=0.001).

“A prevalência e incidência elevadas de HGAIN na nossa coorte jovem de HSH é preocupante”, concluem os investigadores, que alertam que cerca de 15% dos homens com lesão anal pré-cancerígena de alto grau progredirá para cancro anal dentro de três a cinco anos. “Clínicos, decisores políticos e comunidades irão precisar de planear estratégias de rastreio para o tratamento de AIN usando a evidência do seu próprio contexto”.

Referência

Phanuphak N et al. High prevalence and incidence of high-grade anal intraepithelial neoplasia among young Thai men who have sex with men with and without HIV. AIDS 27, online edition: DOI: 10.1097/QAD.0b013e328360a509, 2013.

Community Consensus Statement on Access to HIV Treatment and its Use for Prevention

Together, we can make it happen

We can end HIV soon if people have equal access to HIV drugs as treatment and as PrEP, and have free choice over whether to take them.

Launched today, the Community Consensus Statement is a basic set of principles aimed at making sure that happens.

The Community Consensus Statement is a joint initiative of AVAC, EATG, MSMGF, GNP+, HIV i-Base, the International HIV/AIDS Alliance, ITPC and NAM/aidsmap
close

This content was checked for accuracy at the time it was written. It may have been superseded by more recent developments. NAM recommends checking whether this is the most current information when making decisions that may affect your health.

NAM’s information is intended to support, rather than replace, consultation with a healthcare professional. Talk to your doctor or another member of your healthcare team for advice tailored to your situation.